Quarta, 27 Mai 2020

“Alice Não Mora Mais Aqui” ilustra a esperança na segunda chance

Nas histórias de amor, ao menos aquelas que recebem a honra de serem chamadas de cinematográficas, há sempre esperança de uma segunda chance. O momento de partir e recomeçar, acrescido de suas dificuldades, é o tema de ``Alice Não Mora Mais Aqui", de Martin Scorsese, que estará em cartaz no próximo domingo (10/11), às 17h30, no Cineclube Camarim.

Filme que deu a Ellen Burstyn o Oscar de melhor atriz em 1975, “Alice” é uma comédia sobre uma viúva que tenta reconstruir a vida depois da morte de seu marido e de uma falência financeira.
Ao lado de seu filho, a personagem passa por todo tipo de situação que, nos anos 70, significava a construção da imagem de uma mulher de fibra. O relacionamento honesto com o filho, a necessidade de superação das crises e dos desarranjos amorosos.

E é nesse último item, o amor, que Martin Scorsese, um diretor que oscila terrivelmente entre autoria e indústria, cria a grandeza do filme. Através de uma personagem tão cruelmente tratada pela vida e pelos homens, mas que sofre ainda de uma necessidade urgente de ser amada.

Um pouco como cada espectador dessa história, “Alice” peca porque não se censurar diante do sofrimento. Mas antes se refaz a partir dele.
Talvez nas mãos de outro diretor, ``Alice Não Mora Mais Aqui" se transformasse em um edificante trama televisivo. Com Scorsese se transforma em comédia. Uma rara comédia sobre o sofrimento e a necessidade de amar.

Direção: Martin Scorsese
Elenco: Ellen Burstyn, Kris Kristofferson, Harvey Keitel
Lançamento: 1974
Duração: 1h52min

BOLETIM INFORMATIVO

Cadastre-se e receba a programação por e-mail

Um espaço repleto de arte, cultura e sonhos possíveis. Um teatro de bolso para ver, escutar e sentir de perto. Uma pequena caixa preta 
DE ONDE SE VÊ UM NOVO LUGAR

(48) 3204.6608

Av. Santa Catarina, nº1313
Estreito | Continente
Florianópolis | SC
CEP 88070-740